Bodfaro

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

carrossel de ofertas

Buscape

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

sábado, 6 de novembro de 2010

Um leão, um guerreiro, uma gira...tudo um sonho? Parte 1


Sexta tive um sonho, como poucos nesta vida poderiam ter. Como ele começa?
Parte 1
Só lembro de muita fumaça...do coração acelerando e da perda dos sentidos...quando subitamente um estrondo como de tambores vindo do céu e o som de uma águia me despertam...vejo fogo, pedras, fumaça...e uma grande rocha distante...
Com uma espada na mão direita percebo que estou em trajes de guerreiro (concluo "-Sou um guerreiro...") dores pelo corpo denúnciam que estou muito ferido. De súbito um rugido me chama a atenção, havia mais alguém além de mim, me viro e vejo um vulto na fumaça, mas logo outro rugido me faz virar novamente e detrás das pedras surge um leão, as labaredas de fogo que rompiam entre as fendas na rocha não abalavam seu caminhar e apesar da fumaça o seu olhar vermelho sangue irradiava uma luz hipnótica que o tornava impossível não ser visto.
Me sinto dividir em dois e uma parte de mim se distancia(veja Parte 2) e apenas vê o que se segue, enquanto a outra, que fica, tudo sente. Logo o guerreiro se ajoelha e larga sua espada, estava por demais cansado de tantas batalhas, se fosse para mais uma não teria a menor chance...abaixa a cabeça sentindo o gosto do sangue escorrer pelos lábios, as feridas ardiam no peito e o coração numa aceleração descompassada denunciava o temor pelo que estava por vir. De súbito sentiu a pata gigante do felino contra o peito, mas não fora um golpe, mas sim o rei das feras estava aquietando a alma do guerreiro...era possível sentir a energia daquele ser fluindo através de suas garras e incendiando o coração e a alma do bravo que agora entregue sentia suas feridas sendo tratadas.
Como parte que acabara de ser separada também sinto meu peito arder e o calor e a fumaça envolver meu corpo ao mesmo tempo em que o Leão envolvia o guerreiro com sua energia, com fogo, com fumaça...A cena que se vê é chocante, o guerreiro se dobra e retorce, amparado pelo Leão não cai, é possível sentir sua dor...de repente um silêncio, o guerreiro abre o peitoral de suas vestes e de seu peito sai um vulto enegrecido que é esmagado pela pata do gigantesco felino.
Sem forças e sem o opoio da fera o guerreiro cai, no chão respira profudamente e com a pouca força que restou encolhe o corpo, curva-se e ergue a cabeça aos céus e num misto de alegria e dor solta um grito cujo eco deve ter sido ouvido por todo o universo...o Leão apenas o observa e do mesmo jeito que surgiu entre a fumaça se foi...
Um sorriso desvia a minha atenção e ao virar-me para o lado reparo novamente na imagem de uma sombra (talvez a mesma que tinha sumido antes do leão surgir penso) movendo-se como num bailado entre o fogo e fumaça. Embora a fumaça tenha atrapalhado num primeiro olhar, ao perceber a forma de um vestido, sei tratar-se de uma figura feminina. Corro para alcançá-la, entretanto sempre que penso chegar perto nada encontro a não ser fumaça que ilude e entorpece meus sentidos.
Meus ouvidos guiam minha perseguição, que segue a cadência de um bailado cuja música é esse sorrir feminino e delicado. Em minha última tentativa sem êxito vejo-a desaparecer entre o fogo e silêncio.
...
Nisto lembro do guerreiro, é preciso voltar para ver seu estado, me ponho a caminho mas eis que me deparo com uma rocha num tom diferente de todas as demais, talvez uma rocha calcárea, acinzentada, olho ao redor da mesma e vejo que é uma rocha especial, diferente de todas as que eu já vira na minha existência. Ao tocá-la com ambas as mãos me espanto ao sentir que contrastando com o clima quente e selvagem, ela é fria, quase gelada e com uma superfície aspera porém bem regular.

Todavia o espanto maior foi verificar que havia uma gravação numa lingua por mim desconhecida na parte inferior próximo a sua base, "- Talvez fosse a lingua dos anjos", cheguei a pensar...

Ouvir o som de batidas fortes em um tambor me faz lembrar e sentir que sou chamado até o guerreiro...corro o mais rápido que posso e para meu espanto ele esta deitado, mas não no chão mas suspenso no ar, sua espada está em pé também flutuando próximo a sua cabeça. Me aproximo e o observo...sua roupa antes suja e maltrapilha, esta reluzente e dourada, mal consigo ver as cicatrizes que haviam em seu corpo, resultantes de sua batalha, não há mais sangue em sua pele e sua face tranquila reflete que seu coração bate em paz.

Agora ao lado do guerreiro toco em seu peito, e ambos começamos a irradiar uma luz quenos envolve, sinto um calor e logo um fogo vermelho toma conta de mim, ardo sem me queimar e em poucos segundos viro uma fumaça branca e sou sugado para dentro do guerreiro...
Antes de ser totalmente sugado, olho ao redor...e para meu espanto não estou mais sozinho...há outras pessoas, com guias nos pescoços, charutos, velas, incenso...e o som do batuque deixa claro que estou agora numa gira...estou num terreiro...e minha última imagem é a de uma cigana dançando e acenando com um olhar e um sorriso doce para mim!
...
Não sou mais eu...e nem só o guerreiro é apenas o que era...somos dois...e agora somos um...apenas um...o que sempre fomos.
...
...
E detrás das estrelas um leão surgiu, caminhou até a mim e ao meu lado sentou e sorriu!

2 comentários:

  1. Oi Ira, mto bonito seu texto! Procure pelo significado do Arcano 11 do Tarô, "A Força", vc verá que se conectou com um conteúdo que está no inconsciente coletivo e faz parte de um importante estado de consciência. Procure por interpretações com profundidade psicológica, não apenas popularmente esotéricas. Você verá que interessante! Alessandra

    ResponderExcluir
  2. Um sonho desses deve realmente ser bem marcante. Sonho convertido em um texto rico em detalhes, capaz de envolver e permitir que o leitor sonhe junto com você. O leão promoveu a sinergia entre dois corpos e proporcionou uma experiência de extrema unidade. Tudo que nos é concedido também pode ser extirpado, a vida não nos pertence. Resta-nos contestar a realidade ou viver da forma mais intensa o que nos é presenteado.

    ResponderExcluir